amamentação

Amamentação em tandem consiste em dar de mamar ao bebé e a um filho mais velho ao mesmo tempo. Saiba tudo aqui sobre a amamentação em tadem!

Amamentação em Tandem

Amamentação em Tandem


Amamentação em tandem consiste em dar de mamar ao bebé e a um filho mais velho ao mesmo tempo.

Quando a mãe engravida e ainda tem um filho que mama ao peito, pode continuar a fazê-lo durante a gravidez (lactogestação) e depois do bebé nascer (amamentação em tandem), sem que isso prejudique o desenvolvimento fetal ou a alimentação do novo bebé. 

Este tipo de amamentação dará aos irmãos a oportunidade de crescerem e se alimentarem juntos no peito da mãe.  

O leite materno irá adaptar as suas características nutricionais por forma a provir todos os nutrientes necessários à alimentação e desenvolvimento de ambos.



Tandem Breastfeeding


Tandem breastfeeding is to breastfeed the baby and an older child at the same time.

When the mother becomes pregnant and still has a breastfed child, she can continue to do so during pregnancy (lactopregnancy) and after the baby is born (tandem breastfeeding), without harming fetal development or feeding the new baby. baby.

This type of breastfeeding will give siblings the opportunity to grow and feed together at the mother’s breast.

Breast milk will adapt its nutritional characteristics in order to provide all the necessary nutrients for the nourishment and development of both.

A amamentação e a gravidez são incompatíveis? Neste artigo desvendamos tudo sobre a amamentação na gravidez! Descubra aqui!

Amamentação na Gravidez

Amamentação e gravidez são incompatíveis?

Amamentar durante a gravidez não retira nutrientes ao bebé em desenvolvimento. 

De acordo com o pediatra espanhol Carlos González, “Amamentar não prejudica em nada o feto, e os nutrientes que uma mulher necessita para fazer ambas as coisas ao mesmo tempo são muito menos do que os que necessitaria se estivesse grávida de gémeos, por exemplo. E depois do parto pode continuar a dar de mamar a ambos os filhos ao mesmo tempo, …”. 

Assim sendo não existe qualquer motivo, do ponto de vista médico, para praticar o desmame apressadamente, no caso do surgimento de uma nova gravidez.

A “Associação Americana de Médicos de Família” explicou que muitos de seus estudos revelaram que a amamentação em tandem é positiva e muito benéfica para o desenvolvimento físico e emocional das crianças.

Se a mãe é saudável e a gravidez está a desenvolver-se com normalidade, então não há necessidade de parar de amamentar a criança mais velha. 

A “Associação Espanhola de Pediatria” discorda da possibilidade de que continuar com a amamentação do filho mais velho possa levar ao aborto. Pelo contrário, a amamentação prolongada deveria ser uma prática habitual na criação dos filhos.

Sociedade Brasileira de Pediatria diz que, na maioria das vezes, não há riscos de perda gestacional ou parto prematuro devido à mãe estar amamentando. Mas faz uma ressalva: desde que a futura mãe não tenha essa predisposição ou se a gravidez não for de risco. Aconselhando uma avaliação médica prévia nesse sentido.



Breastfeeding during pregnancy

Are breastfeeding and pregnancy incompatible?

Breastfeeding during pregnancy does not deplete the developing baby of nutrients.

According to Spanish pediatrician Carlos González, “Breastfeeding does not harm the fetus at all, and the nutrients a woman needs to do both at the same time are much less than what she would need if she were pregnant with twins, for example. And after the birth she can continue to breastfeed both children at the same time… ”.

Therefore, there is no reason, from a medical point of view, to practice weaning in a hurry, in case of a new pregnancy.

The “American Association of Family Physicians” explained that many of its studies have revealed that tandem breastfeeding is positive and very beneficial for children’s physical and emotional development.

If the mother is healthy and the pregnancy is developing normally, then there is no need to stop breastfeeding the older child.

The “Spanish Association of Pediatrics” disagrees with the possibility that continuing to breastfeed the oldest child could lead to abortion. On the contrary, prolonged breastfeeding should be a regular practice in child rearing.

Brazilian Society of Pediatrics says that, in most cases, there is no risk of pregnancy loss or premature birth because the mother is breastfeeding. But he has a caveat: as long as the mother-to-be does not have this predisposition or if the pregnancy is not risky. Advising a prior medical evaluation accordingly.

Sabe o que é a Pega na Amamentação? Nós explicamos e ainda contamos-lhe alguns mitos que estão associados à pega.

A Pega

O que é a Pega na amamentação? Como funciona?


É o momento em que o bebé, orientado para o mamilo, abre muito bem a boca, estende a língua por cima do lábio inferior e agarra/pega na mama, envolvendo-a com a língua, para iniciar os movimentos de sucção. 

Mitos associados à Pega:

Como sabemos existem mitos associados à amamentação, um deles, é de que a dor aguda nas primeiras semanas de amamentação e aparecimento de fissuras/gretas é normal! Para “ganhar calo”! Nada mais longe da realidade e que não ajuda as mães e bebés. O importante é a forma como o bebé pega e se posiciona na mama, para prevenir desconfortos, dor, aparecimentos de fissuras e gretas, como para aliviar e facilitar a cicatrização depois destas aparecerem.

Também é fundamental para que o bebé consiga retirar leite com facilidade durante a mamada, para assim receber todo o alimento necessário ao seu crescimento, ficando satisfeito.

Um posicionamento desconfortável e desadequado e/ou pega pouco adequada é a causa mais comum para a amamentação dolorosa nas primeiras semanas de vida e aparecimento de fissuras e gretas. Sendo também, a causa mais comum para o abandono precoce da amamentação. Não utilizo o conceito de “boa pega” ou “má pega”, porque cada mãe e bebé são únicos e o que é confortável para uns, pode ser diferente e também confortável para outros.

O foco deve ser uma mamada confortável para a mãe e eficiente para o bebé – ou seja, sem dor e suficiente para o bebé se alimentar sem grande esforço.





What is latch on breastfeeding? How it works?

It is the moment when the baby, oriented towards the nipple, opens its mouth very well, extends its tongue over the lower lip and grabs/grabs the breast, involving it with the tongue, to start the sucking movements.


Myths associated with Latch:

As we know there are myths associated with breastfeeding, one of them is that acute pain in the first weeks of breastfeeding and the appearance of fissures/cracks is normal! To “gain callus”! Nothing further from reality and that doesn’t help mothers and babies. The important thing is the way the baby latches on and positions itself in the breast, to prevent discomfort, pain, the appearance of fissures and cracks, as well as to relieve and facilitate healing after they appear.

It is also essential for the baby to be able to withdraw milk easily during breastfeeding, in order to receive all the food necessary for its growth, being satisfied.

An uncomfortable and inappropriate positioning and/or inadequate grip is the most common cause of painful breastfeeding in the first weeks of life and the appearance of fissures and cracks. It is also the most common cause for early cessation of breastfeeding. I don’t use the concept of “good latch” or “bad latch”, because each mother and baby are unique and what is comfortable for some may be different and also comfortable for others.

The focus should be on a feeding that is comfortable for the mother and efficient for the baby – that is, painless and enough for the baby to feed effortlessly.

Benefícios do Aleitamento Materno

Benefícios do Aleitamento Materno

O leite materno é um alimento vivo, completo e natural, adequado para quase todos os recém-nascidos, salvo raras exceções. 

As vantagens do aleitamento materno são múltiplas e já bastante reconhecidas, quer a curto, quer a longo prazo, existindo um consenso mundial de que a sua prática exclusiva é a melhor maneira de alimentar as crianças até aos 6 meses de vida. Mas o mais impressionante é que o aleitamento materno traz inúmeras vantagens tanto para a o bebé como para a mãe, como para o ambiente e comunidade.


Benefícios para o bebé:

  • Proteção contra algumas doenças;
  • Maior protecção contra microrganismos específicos, como vírus e bactérias;
  • Menor probabilidade de infeções respiratórias;
  • Maior resistência a viroses, diarreias, otites e infeções urinárias;
  • Melhor desenvolvimento da visão;
  • Menor probabilidade de eczemas e asma;
  • Risco reduzido do Síndrome de Morte Súbita do Lactente;
  • Se o bebé está doente, dá conforto, ajuda a hidratar e a recuperar mais rapidamente.

Benefícios para a mãe:

  • Promove uma recuperação rápida após o parto (exemplos: contribui para a diminuição das hemorragias);
  • Diminui o risco de cancro da mama, cancro do ovário na fase pré-menopausa, osteoporose, doenças cardíacas, diabetes e artrite reumatoide;
  • Prático, simples, auto esterilizado;
  • Aumenta a confiança da mãe, a sensação de bem-estar e a segurança.

Benefícios para a sociedade e ambiente:

  • Permite poupar energia e recursos alimentares;
  • Evita a produção de lixo não deteriorável facilmente (latas, biberões, tetinas, outro material para limpeza ou desinfeção);
  • É um alimento único no mundo, e irrepetível! Cada mulher vai produzir o leite adequado ao seu bebé.




Benefits of Breastfeeding

Breast milk is a living, complete and natural food, suitable for almost all newborns, with rare exceptions.

The benefits of breastfeeding are various and already well recognized, both in the short and long term, with a worldwide consensus that its exclusive practice is the best way to feed children up to 6 months of age. But the most impressive thing is that breastfeeding has numerous benefits for both the baby and the mother, as well as for the environment and the community.


Benefits for the baby:

  • Protection against some diseases;
  • Increased protection against specific microorganisms, such as viruses and bacteria;
  • Less likelihood of respiratory infections;
  • Increased resistance to viruses, diarrhea, ear infections and urinary infections;
  • Better vision development;
  • Less likelihood of eczema and asthma;
  • Reduced risk of Sudden Infant Death Syndrome;
  • If the baby is sick, it gives comfort, helps to hydrate and recover faster.


Benefits for the mother:

  • Promotes rapid recovery after childbirth (examples: contributes to a reduction in postpartum bleeding);
  • Decreases the risk of breast cancer, pre-menopausal ovarian cancer, osteoporosis, heart disease, diabetes and rheumatoid arthritis; 
  • Practical, simple, self-sterilized;
  • Increases mother’s confidence, sense of well-being and security.


Benefits for society and the environment:

  • Saves energy and food resources;
  • Avoids the production of non-deteriorable garbage easily (cans, bottles, teats, other material for cleaning or disinfection).
  • It is a unique food in the world, and unrepeatable! Each woman will produce the right milk for her baby.